30 mar 2019: Pelos tascos do Porto – de S. Lázaro à Cordoaria

Data: 30.03.2019
Ponto de encontro às 11:00 no Jardim de S. Lázaro (junto ao coreto)
Término pelas 16:00 na Cordoaria

Vamos conhecer o Porto dos tascos e dos petiscos típicos, num percurso diferente pela nossa cidade. Os tascos são um património portuense ameaçado de extinção que visitaremos, provando algumas das suas especialidades intercaladas com apontamentos de história(s). Venha connosco num roteiro bem-disposto, juntando o conhecimento da história e das tradições do Porto com a plena satisfação do palato!

O percurso terá início no Jardim de S. Lázaro, pelas 11:00, e termina na Cordoaria, pelas 16:00.

30 Euros por pessoa, valor que inclui seguro de acidentes pessoais e petiscos nos diversos tascos: papas de sarrabulho, caldo verde, sandes de pernil, sandes de presunto e bolinhos de bacalhau, tudo regado com vinho (branco, tinto e rosé) e ginjinha. Para terminar, rabanada e café.

O número de participantes é limitado e sujeito a inscrição prévia. Esperamos por si.

23 mar 2019: Antigos botequins e cafés do Porto

Ponto de encontro às 9:30 na Praça D João I
Término pelas 13:00 na Praça Parada Leitão

Um percurso Gbliss – Follow Your Bliss e Manuel de Sousa aos antigos botequins e cafés do Porto.

Venha fazer uma viagem no tempo e descobrir os espaços emblemáticos sem os quais a história da cidade não seria a mesma. Espaços de conversa, convívio e prazer. Recantos repletos de emoções e memórias que se mantêm vivas!

15 Euros por pessoa, valor que inclui seguro de acidentes pessoais e café a meio da manhã.

Dificuldade: fácil.

Aguardamos a sua presença!

16 mar 2019: Revisitar a Batalha de Aljubarrota

Data: 16.03.2019
Partida: 08h30 – no ArrábidaShopping, Vila Nova de Gaia.
Chegada: 20h00 – ao mesmo local

Ao final da tarde do dia 14 de agosto de 1385, no campo de São Jorge, nas imediações da vila de Aljubarrota, as tropas portuguesas, comandadas por D. João I de Portugal e o condestável D. Nuno Álvares Pereira, infligiram uma pesada derrota ao exército castelhano e seus aliados, liderados por João I de Castela. Esta batalha foi um dos acontecimentos mais decisivos da história de Portugal. Inovou a tática militar, marcou o fim da crise de 1383-1385, consolidou D. João I como rei de Portugal e reforçou a aliança luso-britânica, depois selada com o casamento do monarca português com D. Filipa de Lencastre.

Como agradecimento pelo seu êxito em Aljubarrota, D. João I mandou edificar o Mosteiro de Santa Maria da Vitória, mais conhecido como Mosteiro da Batalha. Joia do gótico tardio, ou estilo manuelino, para além de Monumento Nacional, o mosteiro tem o estatuto de Panteão Nacional, por estarem aqui sepultados vários reis e infantes, e integra a lista de Património da Humanidade.

634 anos volvidos, com partida do Porto, no dia 16 de março de 2019 viajaremos até ao Mosteiro da Batalha, que visitaremos durante a manhã.

Pela tarde, seguiremos até ao Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota, com visita guiada ao campo de batalha, recriação histórica da batalha e passagem pela primeira posição do exército português. Venha connosco e aproveite esta oportunidade para conhecer melhor os locais onde decorreram alguns dos acontecimentos mais decisivos da nossa história.

Programa:
08h30partida do autocarro das imediações do Arrábida Shopping, Vila Nova de Gaia
11h00 – visita guiada ao Mosteiro da Batalha
12h30 – Almoço (livre)
14h30 – visita ao Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota
15h00 – recriação histórica da batalha
15h45 – visita guiada ao campo de batalha
16h45 – visita ao Centro de Interpretação da 1.ª Posição Portuguesa em Aljubarrota
17h30 – partida do autocarro de regresso
20h00chegada às imediações do Arrábida Shopping, Vila Nova de Gaia

O número de participantes é limitado e sujeito a inscrição prévia.

50 Euros por pessoa, valor que inclui seguro de acidentes pessoais, transporte e entrada nos monumentos. O almoço é livre.

01 mar 2019: O Porto do Vinho

Colóquios põem os portuenses a refletir sobre a sua identidade
A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA CONSTRUÇÃO DA CIDADE DO PORTO
Prof. António Barros Cardoso em palestra na Reitoria da UP sobre a identidade portuense

O Porto do Vinho” é o título da sessão que terá início pelas 18h do dia 1 de março (sexta-feira), na Sala do Fundo Antigo da Reitoria da Universidade do Porto (Praça de Gomes Teixeira), a cargo do Prof. António Barros Cardoso.

Como se passou do vinho ao Vinho do Porto e como se gerou a complementaridade entre o Douro e a cidade do Porto serão alguns dos temas em análise na palestra de António Barros Cardoso, historiador e professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Para o especialista na história da vinha e do vinho, essa relação tem a sua génese na Idade Média e desenvolve-se no período compreendido entre os séculos XVI e XIX. Neste contexto, a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, fundada pelo Marquês de Pombal, desempenhou um papel fundamental, nomeadamente na fixação do quadro regulamentar da região vinhateira demarcada mais antiga do mundo. Para o saber-fazer dos Vinhos do Porto não se pode também descurar o contributo dos estrangeiros.

Nas cerca de 2 horas da sessão, António Barros Cardoso terá ainda oportunidade de abordar a herança patrimonial do vinho e responder a questões curiosas como: Onde se podia beber um copo de verde ou de maduro no Porto do século XVIII? Porque, quando se aborda o vinho na cidade, temos que ter presente que o Porto era (e é) uma cidade entre dois mundos vitícolas: o Alto Douro, com o Vinho do Porto, e o Entre Douro e Minho, com o Vinho Verde.

A palestra “O Porto do Vinho” vem no seguimento das sessões “O Porto da Tradição”, por Helder Pacheco, e “O Porto da Arquitetura”, por Domingos Tavares, realizadas recentemente e integradas no ciclo “Colóquios sobre a Identidade Portuense“.

António Manuel de Barros Cardoso é doutor em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e professor auxiliar na mesma instituição. No plano da investigação histórica, tem-se dedicado a temáticas que vão da história do comércio vinícola no Porto à história do urbanismo portuense, bem como das relações complementares entre a cidade e a Região Demarcada do Douro. É coordenador científico do Grupo de Estudos de História da Viticultura Duriense e presidente da Direção da Associação Portuguesa de História da Vinha e do Vinho, para além de ter integrado e dirigido vários projetos, nomeadamente relacionados com o património duriense e o turismo cultural. É autor de 12 livros e de largas dezenas de artigos publicados em revistas especializadas. Recebeu o Prémio de Investigação da Asociación Internacional Historia y Civilización de la Vid y del Vino, de La Rioja, Espanha (2004); o Grau de Cavaleiro, da Confraria do Vinho do Porto (2009); e o Grau de Carreiro, da Confraria dos Enófilos do Douro (2013).

A iniciativa do ciclo “Colóquios sobre a Identidade Portuense” é da empresa Gbliss que realiza percursos culturais pela cidade. Nos últimos cinco anos, a Gbliss já aliciou mais de 1.500 pessoas a participarem nas muitas dezenas de passeios organizados no Grande Porto. Falados em português, são iniciativas concebidas a pensar nos portuenses que querem conhecer melhor a história e o património da sua cidade.

“O Porto do Granito” e o “Porto da Gastronomia” serão os temas que se seguem destes colóquios, sempre ministrados por especialistas na matéria, permitindo aos participantes tomarem contacto com o conhecimento mais recente que se vai produzindo sobre cada tema. O ciclo “Colóquios sobre a Identidade Portuense” conta com o apoio da Universidade do Porto e da Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Lapa.

A participação na palestra “O Porto do Vinho” é paga e sujeita a inscrição prévia.

09 mar 2019: Transportes públicos do Porto – do carroção ao metro

Data: 09.03.2019
Ponto de encontro às 9:30 na Praça da Liberdade, junto à estátua do guerreiro “O Porto”
Término pelas 13:00 na paragem “Infante” do carro elétrico, junto à igreja de São Francisco

Os transportes públicos fazem parte da história do Grande Porto nos últimos dois séculos, marcaram profundamente a vida dos portuenses e ajudaram a moldar a cidade tal como a conhecemos hoje. O carroção, o americano, a máquina, o carro elétrico, o troleicarro, o autocarro, o metro – venha connosco, numa viagem no tempo, conhecer um pouco mais desta história apaixonante.

25 Euros por pessoa, valor que inclui visita ao Museu do Carro Elétrico e viagem exclusiva de elétrico, café a meio da manhã e seguro de acidentes pessoais.

09 fev 2019: Pelos tascos do Porto – da Lapa aos Guindais

Início: 11:00 na porta da Igreja da Lapa
Fim: 16:00 nos Guindais

Após o sucesso do percurso “Pelos tascos do Porto” que, nas suas diversas edições, contou com cerca de 250 participantes, a Gbliss lança agora “Pelos tascos do Porto- da Lapa aos Guindais” novo roteiro, novos tascos, novas histórias”.

Neste novo percurso, continuamos apostados em conhecer o Porto dos tascos e dos petiscos típicos. Os tascos são um património portuense ameaçado de extinção que visitaremos, provando algumas das suas especialidades intercaladas com apontamentos de história(s). Venha connosco num roteiro bem-disposto, juntando o conhecimento da história e das tradições do Porto com a plena satisfação do palato!

O número de participantes é limitado e sujeito a inscrição prévia.

30 Euros por pessoa, valor que inclui seguro de acidentes pessoais e petiscos nos diversos tascos (Pataniscas e vinho; Favaios; Caldo verde, Bifanas e vinho; Moelas com pão e vinho; Café com ou sem cheirinho e um pastel de nata)

De Bouças a Matosinhos

De Bouças a Matosinhos
Data: a anunciar

Ponto de encontro às 9:30 nos Bombeiros Voluntários de Leixões.
Término pelas 13:00 na Casa da Arquitetura.
Um percurso Gbliss – Follow Your Bliss e Manuel de Sousa

Durante séculos foi “Bouças” e só mudou para “Matosinhos” em 1909. Tradicionalmente, esta terra está muito ligada ao culto do Bom Jesus de Bouças/Matosinhos e das lendas que o envolvem. Nos finais do século XIX, a construção do porto de Leixões propiciou o desenvolvimento da frota pesqueira e o surgimento de numerosas fábricas de conservas das quais, hoje em dia, poucas nos restam. Atualmente, Matosinhos é mais conhecido pelo arrojo da alguma da sua arquitetura, da qual Siza Vieira, um filho da terra, foi percursor. Venha connosco nesta viagem pelo tempo que começa no século X, no local do antigo mosteiro de Bouças, e termina no século XXI, na Casa da Arquitetura.

15 Euros por pessoa, valor que inclui seguro de acidentes pessoais e café a meio da manhã.

Dificuldade: fácil.

Aguardamos a sua presença!

01 fev 2019: O Porto da Arquitetura

Data: 01.02.2019
COLÓQUIOS SOBRE A IDENTIDADE PORTUENSE
Horário: 18:00 – 20:00
Local: Igreja da Lapa – Sala dos Retratos

Começando pela abordagem do carácter simples da construção urbana medieval, Domingos Tavares desenvolverá o seu périplo pela evolução arquitetónica do Porto lembrando as muralhas da cidade, as igrejas, os conventos, os grandes edifícios civis, bem como as condicionantes impostas pelo regime de propriedade. Os incontornáveis Almadas e a absorção de uma arquitetura de cariz neoclássico pela cultura burguesa local serão temas a desenvolver, não esquecendo os arquitetos da transição do século XIX para o XX – de que são exemplo Marques da Silva e Ventura Terra – e a curiosa associação entre arquitetos e engenheiros, de que resultaram belos chalés e palacetes.

Nas cerca de 2 horas da sessão, haverá ainda oportunidade para abordar figuras como Arménio Losa, Viana de Lima, Távora, Siza e Souto Moura, a propósito do Porto contemporâneo e das contradições entre o Movimento Moderno e a cultura do lugar.

O ciclo “Colóquios sobre a Identidade Portuense” conta com o apoio da Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Lapa e da Universidade do Porto.

A participação é sujeita a inscrição. O número de participantes é limitado.

26 jan 2019: Pelos tascos do Porto – de S. Lázaro à Cordoaria

Data: 26.01.2019
Ponto de encontro às 11:00 no Jardim de S. Lázaro
Término pelas 16:00 na Cordoaria

Vamos conhecer o Porto dos tascos e dos petiscos típicos, num percurso diferente pela nossa cidade. Os tascos são um património portuense ameaçado de extinção que visitaremos, provando algumas das suas especialidades intercaladas com apontamentos de história(s). Venha connosco num roteiro bem-disposto, juntando o conhecimento da história e das tradições do Porto com a plena satisfação do palato!

O percurso terá início no Jardim de S. Lázaro, pelas 11:00, e termina na Cordoaria, pelas 16:00.

30 Euros por pessoa, valor que inclui seguro de acidentes pessoais e petiscos nos diversos tascos (papas, sandes de pernil, sandes de presunto, bolinhos de bacalhau e bifanas, ginjinha, vinho e cerveja).

O número de participantes é limitado e sujeito a inscrição prévia. Esperamos por si.

12 jan 2019: Rei Ramiro e outras histórias de Gaia

Data: 12.01.2019
Ponto de encontro às 9:30 no Jardim do Morro
Término pelas 13:00 no Cruzeiro do Senhor da Boa Passagem
Inclui visita ao Convento de Corpus Christi

Reza a lenda que foi aqui que o rei cristão Ramiro raptou a bela princesa moira, pela qual se apaixonara. E que também foi aqui que a sua esposa, a rainha Gaia, viveu uma intensa e improvável paixão pelo emir Alboazar, pai da princesa raptada. Terra de amores e desamores entre cristãos e mouros, a margem esquerda do Douro reserva-nos muitas outras surpresas.

Começamos no Jardim do Morro, no melhor miradouro sobre o rio e o Centro Histórico do Porto. Passamos pela igreja de Santa Marinha, descobrindo os traços deixados por Nasoni. Por entre caves e armazéns vinícolas, embalados pelo perfume do precioso néctar do Douro, chegamos a Corpus Christi, convento feminino cuja fundação antecede Santa Clara, o mais antigo da cidade do Porto. E, de Vila Nova, passamos para Gaia, rumo ao Castelo, recordando as lendas mais antigas e os episódios históricos mais recentes das Guerras Liberais, sempre com vistas soberbas pela frente.

Terminamos um pouco mais abaixo, no Cruzeiro do Senhor da Boa Passagem, que marca o local onde, à força de braços, durante séculos se cruzou o rio. Venha connosco nesta viagem pelo tempo a Vila Nova de Gaia, a nossa “Rive Gauche”!

15 Euros por pessoa, valor que inclui seguro de acidentes pessoais e café a meio da manhã.